Supervisor da Coelba humilha trabalhador em Santo Antônio de Jesus

A mesma empresa que finge nos anúncios luminosos se orgulhar de respeitar seus próprios valores, massacra impiedosamente os trabalhadores em situações adversas

Quando a gente pensa que já viu de tudo na Coelba, eis que somos surpreendidos com mais uma de suas proezas contra o trabalhador. A mesma empresa que finge nos anúncios luminosos se orgulhar de respeitar seus próprios valores, massacra impiedosamente os trabalhadores em situações adversas.

Na última semana, um trabalhador em Santo Antônio de Jesus foi literalmente enxotado do seu ambiente de trabalho. Apesar de tentar explicar, ele sequer foi ouvido.

Tudo começou quando o coelbano necessitou se afastar para cuidar de problemas de saúde. Seu tratamento seguiu conforme deve ocorrer. Após seu tratamento, a própria médica da Coelba, em Salvador, assinou um laudo e orientou o trabalhador a voltar a suas atividades laborais. Ele assim o fez. Retornou para Santo Antônio de Jesus e se apresentou para iniciar normalmente sua jornada. Ocorre que, por determinação do Supervisor Cléber, o coelbano foi enxotado de forma humilhante das dependências da Coelba. Isso mesmo: enxotado!

A Coelba se defendeu afirmando que houve “falha na comunicação”. Ainda se quiséssemos considerar um mero mal entendido, não se justifica o fato de o supervisor sequer ouvir o trabalhador e orientá-lo de forma respeitosa. Ao contrário, se escondeu e ordenou que expulsasse o coelbano de forma vergonhosa. Isso é uma atitude, no mínimo, desumana, sobretudo, pelo fato de o próprio supervisor saber que o trabalhador estava de retorno após passar por processo complexo de reestabelecimento de sua  saúde.

Analisado sob todos os contextos, a atitude do supervisor Cleber foi desumana, grosseira, insensível, prepotente, vergonhosa e inadmissível. Não deixaremos isso passar em brancas nuvens!   A pergunta que fica é: a orientação para tamanha desumanidade vem através do RH da  Neoenergia, Coelba ou cada Gerente e Supervisor tem nas suas UTD’s um Recursos Humanos paralelo?  Com a palavra, os responsáveis!

O Supervisor Cleber com o seu ato conseguiu infringir o código de ética, a política de recursos humanos, política de respeito aos direitos humanos e a política geral de governança corporativa do Grupo Neoenergia. Esses princípios éticos e de legalidade, assim como prevenir condutas irregulares e contrárias da ética deveriam estar protegidas pelo gerente de RH da empresa, Maximiliano Delfino, que ao contrário, minimizou, dizendo que foi só um “probleminha de falha de comunicação”.

O Sinergia, através da sua assessoria jurídica, vai denunciar a situação no Conselho de Ética e ao Complaice que tem obrigação de apurar a situação e adotar as medidas compatíveis com esse ato desumano. Vamos acompanhar!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*