Parlamentares, movimentos populares e sindicatos reafirmam compromisso na defesa da Eletrobras pública

0
57

Neste mês de junho os eletricitários vão intensificar a pressão sobre o Congresso Nacional para barrar o processo de privatização da Eletrobras anunciado pelo governo de Michel Temer. A partir do dia 11, os trabalhadores da estatal vão paralisar as atividades por 72 horas. O coordenador geral do Sinergia e Presidente da CNU, Paulo de Tarso, estava presente no evento.

Assim, para consolidar o apoio da sociedade, dos movimentos populares e entidades sindicais na luta contra o desmonte do patrimônio público e em defesa do setor elétrico estatal, foi realizado em Brasília, na última quarta-feira (6) um encontro onde houve um amplo debate sobre as ações que devem ser construídas para impedir a entrega da maior empresa elétrica da América Latina à iniciativa privada.

Na ocasião, a deputada federal Erika Kokay (PT-DF) destacou que a venda da Eletrobras serve apenas para agradar e “acalmar o deus mercado, que busca a reconfiguração do mercado livre no setor elétrico”. Ela elogiou a luta dos eletricitários e ressaltou que a estatal só não foi vendida por conta da mobilização das entidades sindicais e trabalhadores. “Nós temos ainda muita luta, mas aqui tem gente de briga. É certo que vamos assegurar que a venda da Eletrobras não aconteça. Podem contar com a bancada do PT”.

Para o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), a privatização da Eletrobras significa a destruição da soberania energética e nacional. Ele afirma que para romper com a lógica de desmonte “é preciso manter um diálogo com a sociedade e com o Congresso e explicar que não se resolve o problema jogando a conta nas costas do consumidor”.

O representante do Sindicato dos Bancários, Paulo Vinicius, disse que é fundamental uma construção unitária na defesa da Eletrobras e das distribuidoras. “Nós precisamos dialogar com todos os brasileiros, só uma grande frente ampla poderá mudar isso”.

“O Brasil nesses últimos dois anos sofre com um golpe que atacou a nossa soberania e a democracia desse país”, declarou o Secretário-Adjunto de Organização e Política Sindical da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Eduardo Guterra. Para o secretário, o desmonte dos direitos da classe trabalhadora e do Estado não está maior por conta da resistência e mobilização dos sindicatos e movimentos populares.

De acordo com a decisão, as empresas devem apresentar no prazo de 90 dias estudo sobre os impactos da privatização nos contratos de trabalho. A venda das distribuidoras havia sido liberada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no dia 30 de maio.

Frota destacou ainda que a luta da categoria por uma Eletrobras pública acontece no meio de uma complicada negociação do Acordo Coletivo de Trabalho dos eletricitários. O dirigente convidou os participantes a comparecem na assembleia que vai discutir o Acordo e a greve nacional dos trabalhadores, que acontece nesta sexta-feira (8), na sede da Eletronorte, em Brasília.

Participaram da atividade representantes da Confederação Nacional dos Urbanitários (CNU), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), Sindicato dos Bancários, Sindicato dos Correios, Sindicato dos Portuários, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) Levante Popular da Juventude, Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Nação Hip Hop, Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações (Sinttel), Fisenge, além dos deputados  federais Zé Carlos (PT-MA), João Daniel (PT-SE), Erika Kokay (PT-DF), Arlindo Chinaglia (PT-SP) e o deputado Distrital Chico Vigilante (PT).

Escreva seu comentário